terça-feira, 29 de março de 2016

O que são medo, covardia e coragem?


O vídeo acima faz rir pela reação de pavor do homem que pensa encontrar um urso real. Perceba que logo após perceber a presença do "urso", ele tem uma reação súbita: virar e correr. A obstinação com que corre e o fato de nem mesmo olhar para trás indicam que esse homem está com muito medo. Não houve tempo para pensar em nada por que ele foi tomado por um instinto de sobrevivência.

Depois de algumas risadas, podemos ser mais justos: Como você reagiria nessa situação? Para responder isso, considere que em algumas regiões do mundo (provavelmente a que acontece a pegadinha está inclusa) a presença de ursos é um risco constante. No Brasil estamos acostumados a vê-los como bichos fofinhos e brincalhões, mas esses animais podem ser extremamente agressivos. Os ataques de ursos são relativamente raros, mas frequentes o suficiente para preocupar pessoas em áreas de risco. 

Alguém tentou se esconder de um urso dentro de um carro.
Parece que isso não impediu o bichinho.
Existe pouco conteúdo sobre esse assunto em português, mas uma busca rápida sobre ataques de ursos em sites na língua inglesa revela uma forte preocupação com a redução desses ataques. Veja, por exemplo, que há uma lista de ataques na Wikipédia em inglês, e diversas páginas ensinando como se proteger desses animais. Não é uma preocupação vã. Ursos em geral não precisam de bons motivos para atacar. São enormes, muito rápidos, muito fortes e estão constantemente mudando de território. Ou seja: Se você morasse em um lugar de risco, uma criatura cheia de instinto e capacidade para matar poderia estar a qualquer momento no seu quintal. 

Sabendo disso, é mais fácil compreender a reação do homem ao encarar um amigo sacana vestido de urso. A preocupação em encontrar um urso negro já deve ser constante naquele ambiente. O medo foi causa de um comportamento quase irracional que pode ocorrer em qualquer um de nós

Isso é assim simplesmente por que somos humanos.

É claro que diferentes homens lidariam com isso de diferentes formas. Mas, em geral, todos estamos susceptíveis ao medo. Pode ser desmoralizante, mas correr como o homem do vídeo não pode ser um motivo para taxá-lo de covarde. 

É isso aí: Medo e covardia são coisas diferentes. Mas o que é medo? E covardia? E onde entra a coragem?


1. Medo

O medo é uma reação do corpo ao perigo ou a alguns estímulos que imitam uma situação perigosa (como assistir um filme de terror). Quando você tem medo, libera adrenalina, cortisol e outros hormônios que te preparam para uma luta ou uma fuga. O cérebro humano está sempre "rastreando" o risco de morte no ambiente. Quando ele interpreta uma situação como perigosa, quer que nos sintamos estressados. Esse é o nosso "modo de sobrevivência".

Esses instintos são uma faca de dois gumes.

Eles são úteis em situações de perigo real. Imagine, para exemplificar, que aquele urso fosse real e o homem não reagisse da mesma maneira. Foi o medo que garantiu a sobrevivência humana num passado repleto de perigos reais.

O estresse em exagero, porém, pode ser um problema. Considere como exemplo que você paralise de medo numa situação em que seu filho precisa de ajuda. Esse é o caso em que medo se torna pavor e nos leva a reações irracionais que podem atrapalhar muito mais do que ajudar.

O remédio para isso é domar o medo ao nosso favor, investindo na presença de espírito. Isso reduz os efeitos negativos trazidos pelo pavor. Além disso, te permitirá tomar decisões baseadas na atuação do estresse em doses saudáveis.


Vamos ilustrar isso com um exemplo: 

Se alguém invadir a sua casa, você pode se apavorar e literalmente defecar nas calças. Isso realmente acontece. Nesse caso, você e sua família estariam em risco, e você não poderia reagir adequadamente. Com uma boa presença de espírito, você não sofreria com a irracionalidade do pavor, mas ainda poderia ser beneficiado pelo estresse. Você poderia contar com um alto nível de atenção para o perigo, distribuição de energia e respiração adequados para o combate, etc.


Mas o que me levaria a colocar minha própria vida em risco dessa forma? A resposta para isso está na definição da coragem e da covardia.


2. Coragem e covardia

O medo não é exatamente um oposto da coragem. As reações corporais ao perigo e o estresse podem conviver com um espírito verdadeiramente corajoso. O verdadeiro oposto da coragem é a covardia.

As reações corporais ao perigo não envolvem valores e questões morais. São causadas por hormônios. Mas como comportamentos de motivação biológica, elas podem ser controladas. A coragem e a covardia são posturas diante do medo.

Ilustração de Davi e Golias


A coragem não é ausência de medo, mas um enfrentamento da situação de risco. Certos momentos exigem que aprendamos a nos colocar em risco, mesmo que o corpo vacile. Em alguns casos, a motivação para isso tem a ver com proteção. Lembre-se de que é dever masculino proteger nossas propriedades, famílias e nos sacrificarmos por aquilo que amamos. Se homens não arriscam as próprias vidas por isso, ninguém mais pode fazer em seus lugares.

A covardia é o apego às reações do medo que encobrem os valores em questão - como a vida de outras pessoas e os compromissos de sacrifício e defesa -, o que nos leva à autoproteção irracional. O covarde não sente mais ou menos medo que o corajoso. Ele só coloca as sensações negativas do medo e a própria vida acima de tudo mais. Essa atitude é obviamente egoísta e, em homens, é digna de desprezo.


Um exemplo para ilustrar essa diferença é o caso do Costa Concordia, cruzeiro que naufragou deixando mortos e feridos na costa da Itália. O capitão abandonou o navio antes de todos os viajantes. Como alguém nessa posição tem um compromisso com a sobrevivência dos passageiros, o homem foi condenado a 16 anos de prisão. O "capitão covarde", como ficou conhecido, priorizou a própria vida, deixando incapazes morrerem.


3. Conclusão


Buscar a verdadeira masculinidade é também aprender a domar os instintos pelo bem daqueles que amamos e nos compromissamos. Um homem honra seus compromissos e busca proteger quem precisa. A coragem é, por isso, um importante valor masculino. 

Mas reagir com coragem também é necessário nos pequenos riscos que medrosamente tomamos como situações de vida ou morte. Conquistar uma garota, falar em público, conseguir um emprego e outras situações desse tipo podem nos despertar as mesmas sensações físicas de estar diante de um falso urso negro. Aí também precisamos desprezar a covardia e buscar a presença de espírito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será bem vindo!