segunda-feira, 13 de abril de 2015

Como um homem resolve os problemas no namoro



Veja se você consegue lembrar de uma cena parecida com esta: Um casal está junto e tudo está bem entre eles. Depois de muitas trocas de afeto, um deles comete um vacilo fatal. O lado afetado imediatamente se aborrece, enquanto a outra parte tenta entender onde errou. Depois de um tempo nisso, o errado perde a paciência, e se aborrece junto. Com o tempo, a coisa ganha um peso terrível (inclusive envolvendo quem lhes acompanha), e começa uma troca de farpas meio discreta, mas que já passa para os limites da falta de noção.
Se você não lembra de uma cena como essa, saiba: É algo muito comum. Depois que comecei a namorar, passei a reparar isso em muitos casais, e eu mesmo vivi e atuei nessas situações. 

Isso é uma mostra de que os jovens casais não sabem lidar bem com contrariedades no namoro, e acabam levando essas situações aos extremos do estresse, desequilibrando-se e resolvendo seus problemas de forma muito superficial ou insatisfatória. Problemas mal resolvidos em um namoro significam grandes problemas em um casamento, daí a urgência de, como bons homens, aprendermos a resolver os problemas em nossos relacionamentos.



Se você namora ou não, acompanhe estas dicas para, em uma possível situação como esta, lidar de forma viril e séria, sem mimadices, raivinhas e egocentrismos.


1. Acho que ela errou, e agora?


Antes de tudo: Não ignore isso. É melhor considerar bem um problema bobo do que acumular incômodos. Guardar e esquecer problemas, sem resolve-los, para manter uma aparência de pacificidade no relacionamento é fonte de problemas gigantescos. Então, faça algo.

A decisão a ser tomada no momento em que você se incomodou com uma atitude de sua parceira vai depender de quatro coisas:

 Primeiro: Vocês estão em público ou entre amigos? 
Se sim, prefira não falar nada ali. A não ser que isso se torne urgente, não emburreça ou reclame de nada enquanto vocês não puderem falar com mais calma, sozinhos. Se você realmente acha que continuar como se estivesse tudo bem seria fingimento (o que é comum em problemas mais sérios), avise ela de alguma forma que você precisa falar sobre algo. Use o celular, um bilhete ou fale discretamente. Mas cuidado: Não transforme seu programa num inferno, nem incite nela uma expectativa massacrante. Tente explanar as proporções da conversa. Minha experiência com essas situações me convenceram de que não há problema que valha a pena de estragar um passeio ou se matar de ansiedade. Não faça isso com sua namorada.

 Segundo: Qual é a complexidade do problema? 
Os problemas podem variar em complexidade. Alguns exigem uma boa explicação do contexto e dos fatos, outros já te fazem prever que uma longa conversa te espera. Se um problema é simples, pode ser resolvido com um pedido de desculpas, e não pedem uma boa explicação, contextualização, nem argumentos das duas partes. 
Por exemplo: Se ela contou algo que você não queria que ela contasse para uma amiga, você pode simplesmente chamá-la para um canto e dizer que ela fez isso e que você não gostou. Pode ser que isso dê pano pra manga, mas o mais provável é que ela reconheça isso como um erro e peça desculpas. 
Para problemas complexos, prefira reservar um tempo, uma conversa no telefone ou durante uma volta para casa. Se for algo rápido, não transforme isso num drama, jogue as cartas na mesa, e pronto.
Se você já conversou com ela sobre algo e agora ela está consciente de que isso é errado, aí está uma situação simples. Fale nos termos que você falou anteriormente, indicando que ela "fez de novo", e ela provavelmente aceitará rápido.

 Terceiro: O que está e o que não está claro? 
Existe uma enorme diferença entre abordar um problema cheio de razão, mas poucas certezas, e explicar exatamente o que você viu acontecer, sem tomar conclusões que não seguem os fatos claros. Se você vê um problema, não fale com sua namorada sobre ele enquanto você não tiver considerado tudo o que você sabe, delimitando tudo o que você tem e não tem certeza. Analise bem as conclusões que você tirou dos fatos e não deixe de lado as demais possibilidades de interpretação. Lembre-se: situações de relacionamento nunca são como uma equação. Existem duas partes vendo as coisas de formas diferentes, e achar-se com a razão somente por que identificou um fato é muita presunção. Prefira sentir-se incomodado, de forma aberta e atenta. Quando falar, só fale do que já está certo e esteja disposto a considerar as outras possibilidades. As vezes tomamos um assunto com pouca reflexão e abordamos de forma desproporcional, o que é uma terrível injustiça.

 Quarto: Você está com raiva?
Estar com raiva nesse momento é péssimo. Com raiva, você provavelmente tomará decisões impulsivas, agirá com impaciência, pensará de forma deturpada e desproporcional e, no final, verá que fez uma guerra por uma azeitona. 
Fuja das situações de raiva antes mesmo de pensar no problema. Evite silêncios constrangedores, esperas de dias e noites, acusações injustas e indisposição. Identifique bem seu humor e respire fundo. Mas o mais importante é: Coloque as coisas em seus lugares. Lembre-se de que você quer resolver algo que esta atrapalhando, não disputando com sua parceira. Não deixe de lado seu amor por ela para desprezá-la, principalmente quando acha que ela merece uma correção.


2. Quando ela quer me corrigir


Se é a sua namorada que te chama a atenção, você precisa estar aberto para isso. Se acontecer em uma situação difícil, em público ou em um momento de pressa, não se desespere. Diga que mais tarde conversam e evite imaginações fantasiosas sobre as possibilidades. 


3. Como falar com ela


Para falar com sua namorada sobre algo que te incomoda, tente uma linguagem sincera e normal. Não se sinta nem fale como se fosse superior, como um professor corrigindo um aluno. Lembre-se de que se você não cometeu um erro grave com ela, é por que não chegou o tempo. Você pode ser firme, mas coloque-se a disposição para resolver tudo. Não é necessário fazer graça ou se entusiasmar falsamente, só não seja arrogante.
Na conversa, dê tempo para si e para ela. Explique, antes de tudo, o que aconteceu e o que te incomodou, e depois deixe que ela fale. Não interrompa, escute e se mostre aberto. Se discordar de algo ou querer discutir algum ponto, espere ela terminar de falar e faça. Só dê por resolvido quando os dois estiverem entrado em acordo. 
Se for o caso de ela estar te chamando a atenção, escute e responda. Mesmo que ela esteja errada, não há motivo para arrogância na linguagem ou para interrupções. 


4. Quem está certo?


Resolver um problema não é indicar o certo vencedor e o errado perdedor. É comum que um erro de uma parte venha acompanhado de erros da outra. Quando colocar um problema em discussão com sua namorada, esteja aberto para ouvir e, se for ocasião, reconhecer suas culpas. Se tudo ocorrer honestamente pelas duas partes, as coisas vão estar claras o suficiente para que os errados se assumam. Nesse momento, esteja disposto a perdoá-la. Um homem de verdade ama sua parceira, e perdoa sem cabeça empinada, mas com confiança. Garanta que, de sua parte, fará de tudo para não cair no erro novamente e peça isso da parte dela.


5. Alguns empecilhos possíveis


  • Se ela não colaborar e se enfurecer: Não ceda à raiva. Se você falou com ela de forma honesta e correta, ela não está com a razão mesmo que você esteja errado. É hora de redobrar a paciência e - com firmeza, não estupidez - mostrar que o que você quer é algo realmente justo. Não há necessidade para "pedir desculpas", porque você não fez mal. Ela deve estar agindo por defesa e, visto que sempre fazemos isso, não há motivo para arrogância nem rebaixamento. Se ela for persistente na atitude, pare a discussão e retome mais tarde, quando ela estiver mais fria.
  • Se ela não for digna de confiança: Se você sentir que não deve confiar na sua namorada por que ela frequentemente não cumpre promessas, mente, vitimiza-se ou inverte situações, repense seu relacionamento. Mostre para ela que esses pontos te incomodam e avalie a sua reação. Se o resultado for novas vitimizações, mentiras e inversões, pense seriamente em acabar o namoro. Se ela admitir orgulhosamente, sem demonstrar arrependimento, faça a mesma coisa. Só considere uma nova chance se ela reconhecer os próprios erros verdadeiramente arrependida e te prometer e demonstrar mudanças. 
  • Se ela não quiser resolver problemas: Não querer discutir ou resolver problemas de relacionamento é um sintoma de imaturidade. Ela provavelmente não sabe bem o que quer com esse relacionamento, e não está disposta a levá-lo a sério. Se esse for o caso, considere terminar seu namoro. Insista que esse comportamento é inadequado e seja firme na decisão se ela não der o braço a torcer.


Conversar com sua namorada sobre problemas é uma das grandes realizações de um namoro. Lembre-se: O objetivo deste relacionamento é se preparar para um compromisso, não curtir antes da responsabilidade. Essas conversas e momentos difíceis devem ser valorizadas como construção. O medo irracional de "DR's" é coisa de garotão de prédio, não de quem assume papéis. Não é a atitude de um homem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será bem vindo!