sábado, 28 de março de 2015

(Mais) Um blog para homens - Esclarecimentos

No tempo e lugar em que este texto está sendo escrito existem certos assuntos que só podem ser abordados com opiniões prontas, reações fingidas e uma preocupação de aparecer como um bonzinho sem ódio. O tema "masculinidade" é um deles, sem sombra de dúvida. O tema masculinidade tratado como algo bom e desejável, então, é uma dessas loucuras de quem está fora de seu tempo, em desacordo com as idéias seu lugar, já que isto é, aqui e agora, o oposto do senso comum. 

Essa foi uma questão bem considerada por mim antes da decisão de começar esse blog, e ainda assim desejei realizá-lo. O processo natural da abordagem deste tema é, hoje, o de um furo em um bloqueio de falso consenso racional. 

A masculinidade aqui abordada é o conjunto de valores, costumes e vivências de um homem, que se preocupa em ser melhor (uma pessoa melhor) dentro de sua condição de homem. A masculinidade pode ser passada por gerações, guiando os novos homens a lidar com os problemas, capacidades e papéis que aparecem a eles, e não comumente a elas. 

Agora vejamos: Que há de tão terrível em defender a masculinidade como virtude e crescimento? 
A resposta está no tratamento deste tema nas últimas décadas. Salvo alguns grupos e crenças, a palavra masculinidade foi e é severamente relacionada a um espantalho doentio. A palavra não significa mais o que realmente é, mas um conjunto de preconceitos e más impressões que bastam para odiar qualquer defesa deste valor como virtude.  

As fontes destas confusões são variadas. O feminismo, desde seu início, parece a mais influente. O movimento não só pregou abertamente o fim da masculinidade, por considerá-la ódio, raiva, opressão e o valor da classe masculina dominante, mas também quis e quer ensinar que a simples divisão de gêneros como algo real é mentirosa e mal intencionada. 

Os efeitos do movimento feminista, e não só dele, são a demolição da antiga preocupação dos homens de crescer em sua masculinidade verdadeira (tornarem-se homens bons, como vimos). Costumes, idéias, valores e necessidades masculinas foram sendo ignorados e desprezados. 

A perda destas "coisas de homem" (e isso soa extremamente negativo a nós) criou gerações  de homens despreocupados, com consequências que foram se tornando evidentes. Quando se conhece o que é a verdadeira masculinidade, sem preconceitos ou definições de grupos, sabe-se que a sua ausência em um homem está mais para a infantilidade e fraqueza que para homossexualismo, como podemos imaginar. A geração em que vivemos é, em geral, fraca, insegura, mimada e perdida, e isso falo considerando as minhas próprias dificuldades - ou seja, considero isso uma desgraça para as gerações recentes, e não uma desgraça para homens que odeiam gente fraca ou que querem as mulheres longes de seus empregos.

As consequências do desprezo à virilidade foram tão profundas, que hoje é comprovada a infelicidade dos homens. Lideramos os índices de depressão e suicídios. Somos solitários e trabalhistas. Correspondemos à tosca imagem de animais impulsivos que se criou de nós.

Não é de minha intenção usar esta página para defender o reconhecimento da diferenças de gêneros ou me preocupar em defender a masculinidade de feministas, modernistas ou qualquer outro que a considere um mal. Posso fazer isso quando oportuno e necessário, mas não é esse o ponto. O objetivo real deste Blog é resgatar os bons valores da masculinidade, e, mais ainda, auxiliar os homens que empreendem está volta maluca às preocupações hoje desprezadas. É um blog para homens, não para modernistas revoltados, e por isso não pretendo me justificar a cada linha, temendo incompreensão por parte destes grupos.

Como já disse, as carências que percebo nos homens atuais estão também em mim. As inseguranças típicas de nosso tempo, a sensação de se estar perdido no tempo, a dificuldade em se relacionar, a fraqueza física, mental e de caráter, são todos estes problemas que me incomodam a muito tempo, e os quais eu já considerava coisa normal, comum a todos os viventes. Só quando passei a estudar outros exemplos, fora de meu tempo e de meu espaço, é que me dei conta de que algo estava errado comigo. Foi desta maneira que passei a buscar formas de recuperar em mim aquilo que minha criação e minha vida social me tinha privado: Uma boa cultura de masculinidade, que me orientasse para meu verdadeiro papel no mundo, tirando de mim o egoísmo de viver para mim mesmo, e me ensinasse a lidar com os problemas típicos de um homem.

A decisão de criar um blog sobre essa busca por virilidade está intimamente relacionada a isso. Quanto mais conhecimento sobre o assunto eu adquiro, mais acho que ele pode ser compartilhado. Exemplos como o blog americano "The Art of Manliness" me mostraram que o aprendizado de costumes e valores de um homem por esses meios não é uma futilidade, mas uma boa possibilidade. 

Por que não tentar isso para nossos conterrâneos?

É certo que os problemas aqui abordados são hoje universais, mas no Brasil ele vem por cima de uma fraca definição de masculinidade e de uma má formada cultura masculina brasileira. Não bastaria reproduzir as discussões americanas em português, se o problema é outro bem menos americano. Precisamos nos reconhecer em nosso contexto, e mudar aquilo que deve ser mudado, em um processo de construção constante. 

É por isso que não me envergonho de tentar reproduzir aquilo que aprendo e vivo para mais homens. Precisamos interagir, precisamos nos ajudar. Sem ódio, mas com amor. Sem luta, mas com construção. Precisamos recuperar em nós a hombridade verdadeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será bem vindo!